O Magistério da Igreja Católica Apostólica Romana

ESQUEMA DA 2ª AULA DO CURSO FUNDAMENTOS DO SEDEVACANTISMO

  • I PARTE. A IGREJA CATÓLICA É INFALÍVEL E INDEFECTÍVEL.
    • Resumo. A Igreja Católica é infalível e indefectível
      • No Magistério Extraordinário
      • E também no Magistério Ordinário Universal.
        • Corolário. A Igreja Conciliar não pode ser a Igreja Católica.
    • Objeção. Ênfase nos limites da infalibilidade, obedecer somente o que for ex cathedra.
      • Contexto: origens do tradicionalismo.
      •  I. Refutação. Carece de coerência interna:
        • Documentos do mesmo peso são tratados diferentemente sem justificação plausível. Encíclicas anteriores ao Vaticano II são ditas obrigatórias e isentas de crítica, já as encíclicas posteriores ao Vaticano II são facultativas e criticáveis.
      • II. Refutação. Carece de fundamento, pois
        • Conforme Humani Generis de Pio XII (1950) as encíclicas são de assentimento obrigatório inclusive quando apresentam algo que previamente não pertencia ao lote doutrinal da Igreja (n. 20).
        • Conforme De Valore Notarum Theologicarum de Padre Sixtus Cartechini, S.J. (1951), o dogma também pode ser comunicado pelo M.O.U. de três modos diferentes:
          • I. Pela doutrina comunicada aos fiéis pelo Papa ou bispos por todo o mundo sem uso de definições formais, e.g. batismo de desejo.
          • II. Pelos atos da Igreja (esp. sua liturgia e suas leis).
          • III. Pela aprovação tácita dos padres, doutores e teólogos.
          • Conclusão: nada no ensinamento ordinário da Igreja pode ser positivamente contra a regra da fé e a santidade evangélica.
        • Conforme De Divina Scriptura et Traditione de Cardeal Franzelin (1870, op. cit. Canon George Smith, Must I Believe It? in Clergy Review, ca. 1940):
          • A fonte da obrigação de crer não deriva da infalibilidade do ensinamento do Magistério, mas da missão divina que lhe foi outorgada por Deus: a Igreja é sempre a mestra assinalada por Deus quando o assunto é promover e proteger a verdade revelada, seja seu ensinamento infalível ou não.
          • Motivo intelectual para o assentimento de ensinamento não infalível: auctoritas universalis providentiae ecclesiasticae, autoridade universal da providência eclesiástica: a Divina Providência oferece especial assistência à Igreja de Cristo, de modo que mesmo um pronunciamento não infalível deve ser tido como oportuno pelos fiéis, acatado com plena confiança na sabedoria e prudência da autoridade eclesiástica.
        • Conforme Tuas Libenter de Pio IX (1863):
          • Escritores e teólogos católicos devem assentir não somente aos dogmas, mas também às decisões tomadas pelas congregações da Santa Sé.
    • Conclusão. O fiel deve ter confiança na Igreja, coluna e fundamento da verdade (1Tm III, 15).

Vídeo baseado na conferência A Crise Impossível (The Impossible Crisis) de John Daly: http://thefourmarks.com/Daly.htm

BIBLIOGRAFIA

BILLOT, L. – De immutabilitate Traditionis contra modernam hæresim Evolutionismi, 2. ed. Romæ, 1907.

CAHILL, John, O.P. – The Development of the theological censures after the Council of Trent, 1563-1709

CARTECHINI, S. — De valore notarum theologicarum et de criteriisad eas dignoscendas,
Rome 1951.

FILOGRASSI, G., S. J. – Theologia catholica et Assumptio B.M.V., in “Gregorianum”, XXXI
(1950), p. 323-360.

FILOGRASSI, G., S. J. – Traditio divino-apostolica et Assumptio B.M.V., in “Gregorianum”,
XXX (1949), p. 443-489.

DE GRANDMAISON, L., S. J. – Le dogme chrétien, sa nature, ses formules, son développement, Paris, 1928.

DI BARTOLO, S. – Nuova esposizione di criteriologia, Roma, 1904.

DORHOLT, B. – Entwicklung des Dogmas und Fortschritt in der Theologie, 1892.

DUBLANCHY, E. – Dogmatique ; Dogme, in Dictionnaire de Théologie Catholique, v. VIII, col. 1522-1650.

FRANZELIN, Card. J. B. – De divina Traditione et Scriptura, 2. ed. Romæ, 1875.

GARDEIL, A., O. P. – Le donné révélé et la théologie, 2. ed. Éd. Du Cerf, 1932.

GARRIGOU-LAGRANGE, R., O. P. – Verité et immutabilité du dogme in “Angelicum”, XXIV
(1947), p. 124-139; et alibi.

GOUPIL, A-A., S.J. – La Règle de la Foi, Paris, 1941

HAASE, F. – Begriff un Aufgabe der Dogmengeschichte, 1911.

KREBS, E. & JUNGLAS, J. P. – Dogma, in Lexikon fur Theologie und Kirche, Herder, v. II, col. 358-370.

LENNERZ, H. – De novissimis, 4. ed. Romæ, 1940.

MARIN-SOLA – L’évolution homogène du dogme catholique, 2. éd. 2. voll. Paris, 1924.

MURILLO, L., S. J. – El progreso en la Revelación cristiana, Roma, 1913.

PINARD, H. – Dogme, in d’Ales, Dictionnaire apologétique de la foi catholique, t. I, col. 1121-1184.

RADEMACHER, A. – Die innere Einheit des Glauben, Bonn, 1937.

SCHULTES, R.-M., O. P. – Introductio ad historiam dogmatum, Parisiis, 1922.

SIMONIN, H.D., O. P. – Note sur l’argument de la tradition et la théologie, in “Angelicum”,
XV (1938), p. 409-418; et alibi.

TROMP, S., S. J. – De Revelatione Christiana, 5. ed. Romæ 1945.

VAGAGGINI, C. – Dogma, In “Enciclopedia cattolica”, v. IV, col. 1792-1804.

ZAPELENA, T., S. J. – Problema theologicum, in “Gregorianum”, XXIV (1943), p. 23-47; 287-326; XXV (1944), p. 38-73; 247-282.

Um comentário em “O Magistério da Igreja Católica Apostólica Romana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s